Monthly Archives: novembro 2011

Importância dos familiares e amigos na detecção da perda auditiva

O que percebemos hoje em dia é que cada vez mais cedo as pessoas estão perdendo a audição. O que antes era esperado por volta de 60 anos de idade, hoje a dificuldade de ouvir começa muitas vezes a aparecer em indivíduos mais jovens. Isso é resultado da poluição sonora que estamos expostos.
Com essa exposição contínua aos ruídos, a perda auditiva vai aumentando de forma progressiva e muitas vezes a pessoa não consegue perceber a evolução da perda auditiva. Na grande maioria de vezes, quem percebe que a pessoa esta com dificuldade de ouvir são os familiares e pessoas que convivem com o deficiente auditivo. Essas pessoas percebem que a pessoa com dificuldade auditiva começa a ter dificuldade de entender, pede para repetir frases, escuta TV muito alta e até mesmo se isolam para evitar situações que sabem que não vão ouvir bem, como em uma reunião de família ou mesmo em uma festa.
Com essa percepção, os familiares e amigos são normalmente as pessoas que insistem para o deficiente auditivo procurar ajuda e investir em um ou dois aparelhos auditivos.
O familiar passa a ter interesse em que a pessoa com dificuldade auditiva use aparelho auditivo, pois quer o bem da pessoa e que ela possa participar novamente da vida social. Também quer ter mais facilidade de se comunicar com o deficiente auditivo e evitar situações desconfortáveis como ter que pedir para a pessoa abaixar o volume da TV ou ter que ficar repetindo diversas vezes até que o deficiente auditivo entenda a frase.
No fim das contas, o uso do aparelho auditivo será vantajoso tanto para o usuário, que terá uma qualidade de vida melhor, como para os familiares e pessoas próximas, que irão ver o usuário de prótese auditiva se comunicando melhor e participando mais das conversas. Se você conhece alguém que apresenta sinais de dificuldade auditiva, procure um centro auditivo.



A importância dos familiares e amigos na adaptação do aparelho auditivo

Quando o deficiente auditivo começa a usar o aparelho auditivo, passa por algumas dificuldades de adaptação. O som que passa a ouvir é um som artificial e precisa adquirir algumas habilidades para usufruir melhor do aparelho auditivo.
Isso mesmo! O usuário de aparelho auditivo precisa se adaptar com a qualidade sonora nova, mas também precisa conhecer muito bem o seu aparelho para saber como usá-lo.
Quando a pessoa com dificuldade auditiva usa o aparelho auditivo, por mais que o mesmo amplifique e trate o som, para ter melhores resultados o usuário da prótese auditiva e as pessoas que convivem com ele precisam ter certas posturas e atitudes para facilitar o entendimento por parte do usuário.
O usuário de aparelho auditivo deve ter ciência de que possui um aparelho auditivo, mas que sua audição jamais voltará ao normal, por mais sofisticado que o aparelho seja. Por isso deve saber que para ouvir bem não basta apenas usar o aparelho auditivo, mas precisa saber se posicionar em relação a fonte sonora (procurando sempre ficar de frente para o som), precisa procurar ficar atento aos sons (principalmente a fala) e pedir que as pessoas falem mais devagar e em uma altura mediana.
Por outro lado, as pessoas que convivem com o usuário de aparelho auditivo, devem procurar falar sempre de frente, de forma bem articulada e em uma intensidade normal, sem gritar.
Todos esses fatores juntos facilitam muito a adaptação do aparelho auditivo.



Labirintite

A labirintite é uma doença que acomete o sistema vestibular, que tem total relação com o sistema auditivo. É causada por infecções, inflamações ou lesões nos labirintos que causam tontura, desequilíbrio, podendo ter náuseas, vômitos e zumbidos quando atingem o órgão do equilíbrio que são os canais semicirculares. Pode causar perda auditiva total ou parcial quando essas infecções, inflamações ou mesmo as lesões atingem o órgão da audição que se chama cóclea.
Por isso é muito comum uma pessoa que possui labirintite ter perda auditiva. Tendo esses sintomas o mais indicado é procurar um Otorrinolaringologista para uma melhor avaliação e tratamento.



Dores de ouvido em bebês

Muitas das infecções de ouvido em bebês são decorrentes da postura inadequada do bebê na hora de amamentar. Se a mãe amamentar o bebê na posição totalmente horizontal, ou seja, totalmente deitado, o leite pode desviar para uma comunicação que existe entre a garganta e o ouvido chamada de tuba auditiva. Com isso, ocorrerá o acúmulo de leite no ouvido do bebê fazendo com que o mesmo possa ter infecções de ouvido. Por isso é muito importante amamentar o seu bebê em uma posição mais vertical, ou seja, de uma forma que a cabeça fique mais levantada, para que o leite percorra o caminho certo e não chegue ao ouvido.



Resistência ao uso do Aparelho Auditivo

Muitos fatores levam o deficiente auditivo a evitar ou retardar ao máximo o uso da prótese auditiva devido a preocupação com a estética e com o preço.
No caso da estética, a grande maioria das pessoas, acham que os Aparelhos Auditivos são grandes e muito visíveis como antigamente. Com o avanço da tecnologia, os aparelhos auditivos estão cada vez menores e mais eficientes, sendo que alguns modelos ficam praticamente invisíveis.
Com relação ao preço, hoje em dia os aparelhos auditivos estão mais resistentes, podendo durar por mais tempo, e com recursos que cada vez mais satisfazem o usuário nas suas necessidades diárias. Com isso, o valor investido na aquisição do aparelho auditivo, se for levado em conta o tempo (anos) de benefício que a pessoa terá com a prótese auditiva, tem uma relação custo X benefício bastante vantajosa para o usuário. Também deve-se levar em consideração a facilidade nas formas de pagamento.



10 causas da perda auditiva ou surdez

Existem muitos fatores genéticos e externos que podem causar uma deficiência auditiva. Mas enumeramos alguns, ou melhor, 10 fatores mais comuns que causam a dificuldade para ouvir.
1- Envelhecimento do sistema auditivo periférico e/ou central. Esse envelhecimento é um fator natural que acontece com os idosos e tem o nome de Presbiacusia.
2- Doenças genéticas, como a Otosclerose, que consiste no enrijecimento da cadeia ossicular, ou seja, a calcificação dos ossículos da audição.
3- Muitas pessoas, principalmente na infância, sofrem de infecções de ouvido constantes, ou melhor, otites recorrentes. Essas infecções no ouvido, quando não tratadas, afetam e prejudicam os órgãos da audição fazendo com que a pessoa perca a audição.
4- Hoje em dia, com o mundo barulhento que vivemos, o ruído, barulho, são fortes causadores de perda auditiva. Existe uma doença que se se chama PAIR, ou seja, perda auditiva induzida por ruído. Normalmente os indivíduos mais afetados são pessoas que trabalham expostos a muito barulho como metalúrgicos, pessoas que trabalhem com motores, máquinas e mesmo na rua com a exposição do barulho do transito. Também existe a questão de ouvir música alta, com fones de ouvidos e em uma intensidade muito grande. Com o tempo e a exposição contínua aos ruídos, as células do ouvido vão sendo lesadas e por isso é comum hoje em dia vermos pessoas cada vez mais jovens com perda auditiva e usando aparelhos de amplificação sonora individual (AASI), ou seja, aparelho auditivo.
5- O trauma acústico que acontece quando algum barulho ou ruído muito forte acontece perto do ouvido das pessoas e causa uma perda auditiva instantânea, lesando as células da audição. Um bom exemplo é o estourar de uma bomba ou mesmo o barulho de um tiro.
6- Uso de medicamentos que são considerados ototóxicos, ou seja, que prejudicam e causam lesões no sistema auditivo.
7- Meningite, que pode causar sequelas na audição.
8- Perfuração do tímpano, ou perfuração da membrana timpânica, que pode ocorrer devido a otites de repetição que acabam perfurando a membrana timpânica para eliminar secreções que estejam presentes no ouvido médio. A perfuração do tímpano também pode acontecer por meio de objetos introduzidos no ouvido que podem perfurar o tímpano e causar uma perda auditiva.
9- Doenças metabólicas, que afetam o metabolismo do corpo todo, inclusive do sistema auditivo. Uma das mais frequentes é a diabetes.
10- E por fim, alguns tumores benignos ou malignos.



Presbiacusia

A presbiacusia é a diminuição progressiva da audição, devido ao processo de envelhecimento do organismo. Isto pode ocorrer, devido a alguns fatores:
• Genético
• Metabólico
• Vascular
• Ambientais
A presbiacusia ocorre geralmente a partir dos 60 anos de idade, geralmente ocorre a perda maior nas altas frequências, afetando seriamente a capacidade de discriminar as palavras.
A presbiacusia é uma das causas mais comum e frequente de deficiência auditiva localizada na orelha interna. Podendo ser agravada por doenças sistemicas como diabetes, alcoolismo, alterações metabólicas, entre outras.
O tratamento mais efetivo para este tipo de alteração é no uso da prótese auditiva.



Deficiência auditiva

A deficiência auditiva pode ocorrer durante a vida gestacional, no nascimento e após o nascimento, podendo ser hereditária e não hereditária.
A perda auditiva pode ser unilateral ou bilateral, ou seja, de um ou dos dois ouvidos.
A perda pode aparecer de uma forma súbita quando é repentina ou de forma progressiva que vai piorando aos poucos.
A deficiência auditiva pode ser flutuante quando tem fase de melhora e piora ou não flutuante quando é constante a dificuldade auditiva.
A alteração auditiva pode ser denominada de quatro maneiras:
1. Disacusia: que é uma alteração da função auditiva;
2. Hipoacusia: é o termo usado para a diminuição da acuidade auditiva;
3. Surdez:é empregada para designar qualquer tipo de perda de audição, parcial ou total;
4. Anacusia: é a falta ou ausência de audição.
Existe vários grau da deficiência auditiva:
• Leve
• Moderada
• Severa
• Profunda
Para verificar este grau devemos sempre procurar um especialista.