sp

Resistência ao uso do Aparelho Auditivo

Muitos fatores levam o deficiente auditivo a evitar ou retardar ao máximo o uso da prótese auditiva devido a preocupação com a estética e com o preço.
No caso da estética, a grande maioria das pessoas, acham que os Aparelhos Auditivos são grandes e muito visíveis como antigamente. Com o avanço da tecnologia, os aparelhos auditivos estão cada vez menores e mais eficientes, sendo que alguns modelos ficam praticamente invisíveis.
Com relação ao preço, hoje em dia os aparelhos auditivos estão mais resistentes, podendo durar por mais tempo, e com recursos que cada vez mais satisfazem o usuário nas suas necessidades diárias. Com isso, o valor investido na aquisição do aparelho auditivo, se for levado em conta o tempo (anos) de benefício que a pessoa terá com a prótese auditiva, tem uma relação custo X benefício bastante vantajosa para o usuário. Também deve-se levar em consideração a facilidade nas formas de pagamento.



Presbiacusia

A presbiacusia é a diminuição progressiva da audição, devido ao processo de envelhecimento do organismo. Isto pode ocorrer, devido a alguns fatores:
• Genético
• Metabólico
• Vascular
• Ambientais
A presbiacusia ocorre geralmente a partir dos 60 anos de idade, geralmente ocorre a perda maior nas altas frequências, afetando seriamente a capacidade de discriminar as palavras.
A presbiacusia é uma das causas mais comum e frequente de deficiência auditiva localizada na orelha interna. Podendo ser agravada por doenças sistemicas como diabetes, alcoolismo, alterações metabólicas, entre outras.
O tratamento mais efetivo para este tipo de alteração é no uso da prótese auditiva.



O Zumbido

O Zumbido nada mais é do que um ruído interno, o qual não esta no ambiente e sim apenas no ouvido do paciente. O zumbido costuma vir acompanhado da perda auditiva e é muito comum e presente em idosos.
É o resultado da morte das células do ouvido, que fazem com que o deficiente auditivo ouça sons como apitos, chiados, etc.
Muitas vezes o zumbido aparece antes do sintomas da dificuldade de ouvir. Isso porque o paciente já possui a perda auditiva mas ela ainda esta muito no começo e a pessoa não nota.

Nos últimos anos muitos tratamentos para zumbido estão sendo testados. Porém até agora não se encontrou a cura para o zumbido.
Uma boa indicação é o uso de aparelho auditivo quando o zumbido esta associado à perda auditiva que tenha indicação do uso do aparelho de amplificação sonora individual (AASI).
O aparelho auditivo (AASI) irá incrementar os sons do ambiente e com isso o zumbido fica mascarado e escondido por trás dos sons externos. Para muitos pacientes o uso do aparelho auditivo ameniza bastante o zumbido, que na verdade permanece, mas passa despercebido já que o paciente passa a ouvir melhor os sons externos.



Modelos e tecnologia de aparelhos auditivos

Existem muitos tipos de próteses auditivas com diversos recursos e tecnologias.
Levando em consideração o tamanho, os menores aparelhos auditivos são os micro canais (CIC) que ficam totalmente inseridas dentro do conduto auditivo. Um pouco maior que o CIC, temos o modelo intra canal (ITC) que ocupa o conduto auditivo e uma pequena parte da concha do ouvido. A diferença do modelo ITC para o CIC é que o ITC tem uma potência maior.

 

Também temos mais um modelo de aparelho interno que se chama intra auricular (ITE). Esse modelo de AASI preenche o conduto e toda concha auditiva, sendo bastante potente e equivalente ao modelo retro auricular (BTE) que fica atrás do ouvido e possuem um molde que fica inserido dentro do ouvido e conduz o som do aparelho externo ao ouvido.

 

Atualmente existe um novo modelo de aparelho auditivo, um mini BTE, que fica atrás do ouvido e possui um fio que conduz o som até um pequeno receptor que fica totalmente inserido dentro do canal auditivo. Apesar de ser externo, esse modelo de aparelho auditivo é muito discreto e dependendo da anatomia do ouvido fica mais discreto que o próprio CIC.

 

Apesar desses diversos modelos, existe um que deve ser específico para o seu tipo de perda e essa escolha é feita pela Fonoaudióloga de acordo com o resultado da audiometria e com as necessidades do paciente.
Os aparelhos auditivos também variam muito de tecnologia. Existem os analógicos se são basicamente amplificadores de som e os digitais que além de amplificar o som, também o filtra e o trata de acordo com as necessidades do deficiente auditivo.
A tecnologia e os recursos necessários para cada tipo de perda auditiva e para cada paciente é definida após a avaliação auditiva da Fonoaudióloga e uma conversa com o paciente para que o aparelho auditivo possa ter o melhor resultado possível.



Avaliação Auditiva ou Audiometria

A avaliação auditiva, ou audiometria, consiste na medição da menor intensidade de um ruído sonoro que o paciente é capaz de escutar. Essa menor intensidade tem o nome de limiar auditivo e é medido em diversas frequências.
Esses limiares também são medidos com estímulos de fala. Com isso, obtemos os resultados do quanto o paciente esta ouvindo e como ele esta entendendo o que ele esta ouvindo.
Com a audiometria podemos definir a presença ou não da perda auditiva, o grau da perda, o tipo da perda e como esta não só o nível de audição, mas também de compressão do paciente. Todos esses dados são essências para a escolha do modelo de aparelho auditivo.



Cuidados com a audição

Muitos fatores podem prejudicar a audição e causar a perda auditiva. A exposição contínua à ruídos muito fortes pode causar uma perda progressiva da audição. Por isso deve-se evitar essa exposição por muito tempo e se ela for necessária é recomendado o uso de protetores auriculares.
O excesso de cera no ouvido também pode causar uma diminuição da audição pois o cerumen, quando em muita quantidade, pode atrapalhar a passagem do som no ouvido.
A cera é importante em pequena quantidade para proteção dos ouvidos, porém quando em excesso deve ser retirada através de lavagem que só pode ser realizada pelo médico otorrinolaringologista. Essa retirada do cerumen em excesso deve ser feita antes da realização da audiometria no caso de acúmulo excessivo de cera, ou mesmo, na presença de rolha de cera para que o exame tenha o resultado correto.



Cuidados básicos com o aparelho auditivo

A prótese auditiva é um aparelho eletrônico e por isso não pode entrar em contato com a água. Essa é uma das recomendações e cuidados mais importantes com o aparelho auditivo.
Outra preocupação é em relação à limpeza. Apesar de não poder ter contato com água, o aparelho deve ser limpo diariamente com um lenço de papel para que se retire o suor e a cera que possa ter restado no mesmo. A cera, ou cerumen, quando acumulada no aparelho auditivo, pode causar sérios danos ao mesmo.
Por ser um aparelho eletrônico delicado, o ideal é evitar quedas do aparelho auditivo.
Tomando esses cuidados, você poderá conservar o seu aparelho auditivo por muitos anos.



Aparelhos auditivos

Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI), prótese auditiva ou aparelho auditivo.

Todas as denominações a cima significam a mesma coisa. O aparelho auditivo é um sistema de amplificação e tratamento do som externo que é conduzido para o ouvido do deficiente auditivo. Existem muitos modelos, marcas, tecnologia e recursos que serão empregados de acordo com a perda auditiva e com as necessidades individuais do paciente.

Os aparelhos auditivos são usados com baterias e pilhas que podem durar de 5 dias até 1 mês dependendo do modelo do AASI.

Todos os modelos de aparelho auditivo amplificam o som, porém existem outros tratamentos dados ao som externo que fazem com que o som chegue mais limpo e claro para o usuário. Esses tratamentos do som são feitos por diversos tipos de recursos que um aparelho auditivo pode ter. Quanto mais recursos o aparelho tiver, melhor será sua qualidade sonora.

Os aparelhos auditivos podem ser digitais ou analógicos, sendo os últimos mais simples.